Entulho

Distinguindo o trágico do supérfluo

Archive for outubro \31\UTC 2012

Brasil tem um policial assassinado a cada 32 horas

Posted by iscariotes em 31 de outubro de 2012

Fonte: Folha de S. Paulo

CLARA ROMAN
VALMAR HUPSEL FILHO

De acordo com esses dados oficiais, ao menos 229 policiais civis e militares foram mortos neste ano no Brasil, sendo que a maioria deles, 183 (79%), estava de folga.

O número pode ser ainda maior, uma vez que Rio de Janeiro e Distrito Federal não discriminam as causas das mortes de policiais fora do horário de expediente. O Maranhão não enviou dados.

São Paulo acumula quase a metade das ocorrências, com 98 policiais mortos, sendo 88 PMs. E só 5 deles estavam trabalhando. O Estado concentra 31% do efetivo de policiais civis e militares do país, mas responde por 43% das mortes desses profissionais em 2012.

Pará e Bahia aparecem empatados em segundo, cada um com 16 policiais mortos.

Para Camila Dias, do Núcleo de Estudos da Violência da USP, o número é elevado. “Apenas para comparação, no ano de 2010 foram assassinados 56 policiais nos EUA.”

Segundo ela, a função desempenhada pelos policiais está relacionada ao alto número de mortes, mas em São Paulo há uma ação orquestrada de grupos criminosos, que leva ao confronto direto com a Polícia Militar.

Os PMs foram as principais vítimas, no Brasil e em São Paulo: 201, ante 28 civis.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1178051-brasil-tem-um-policial-assassinado-a-cada-32-horas.shtml

Anúncios

Posted in Brasil | Leave a Comment »

Pacote triple play consome 5% da renda doméstica média no Brasil

Posted by iscariotes em 31 de outubro de 2012

Fonte: Teletime

Estudo da Portugal Telecom mostra que os pacotes triple play têm, no Brasil, um peso bastante mais significativo em relação à renda doméstica do que em outros países. Segundo o levantamento, feito com base nos preços públicos, dados da OCDE e relatórios financeiros, o custo dos pacotes triple play é equivalente a 5% da renda doméstica, em média. Em países como EUA, esse valor é de 1,1%. Na Espanha e em Portugal, 1,2%, e em países como Itália, o custo de um pacote triple play é de 0,8% da renda doméstica. O estudo apresentado a analistas e investidores da Portugal Telecom não traz outros países da América Latina para comparação.

Em http://www.teletime.com.br/30/10/2012/pacote-triple-play-consome-5-da-renda-domestica-media-no-brasil-diz-portugal-telecom/tt/308757/news.aspx

Posted in Brasil, Economia | Leave a Comment »

Por que a Islândia sumiu do noticiário?

Posted by iscariotes em 23 de outubro de 2012

 

Posted in Economia, História, Mundo | Leave a Comment »

The Deafness Before the Storm

Posted by iscariotes em 10 de outubro de 2012

Fonte: NY Times

By Kurt Eichenwald

It was perhaps the most famous presidential briefing in history.

On Aug. 6, 2001, President George W. Bush received a classified review of the threats posed by Osama bin Laden and his terrorist network, Al Qaeda. That morning’s “presidential daily brief” — the top-secret document prepared by America’s intelligence agencies — featured the now-infamous heading: “Bin Laden Determined to Strike in U.S.” A few weeks later, on 9/11, Al Qaeda accomplished that goal.

On April 10, 2004, the Bush White House declassified that daily brief — and only that daily brief in response to pressure from the 9/11 Commission, which was investigating the events leading to the attack. Administration officials dismissed the document’s significance, saying that, despite the jaw-dropping headline, it was only an assessment of Al Qaeda’s history, not a warning of the impending attack. While some critics considered that claim absurd, a close reading of the brief showed that the argument had some validity.

That is, unless it was read in conjunction with the daily briefs preceding Aug. 6, the ones the Bush administration would not release. While those documents are still not public, I have read excerpts from many of them, along with other recently declassified records, and come to an inescapable conclusion: the administration’s reaction to what Mr. Bush was told in the weeks before that infamous briefing reflected significantly more negligence than has been disclosed. In other words, the Aug. 6 document, for all of the controversy it provoked, is not nearly as shocking as the briefs that came before it.

The direct warnings to Mr. Bush about the possibility of a Qaeda attack began in the spring of 2001. By May 1, the Central Intelligence Agency told the White House of a report that “a group presently in the United States” was planning a terrorist operation. Weeks later, on June 22, the daily brief reported that Qaeda strikes could be “imminent,” although intelligence suggested the time frame was flexible.

But some in the administration considered the warning to be just bluster. An intelligence official and a member of the Bush administration both told me in interviews that the neoconservative leaders who had recently assumed power at the Pentagon were warning the White House that the C.I.A. had been fooled; according to this theory, Bin Laden was merely pretending to be planning an attack to distract the administration from Saddam Hussein, whom the neoconservatives saw as a greater threat.Intelligence officials, these sources said, protested that the idea of Bin Laden, an Islamic fundamentalist, conspiring with Mr. Hussein, an Iraqi secularist, was ridiculous, but the neoconservatives’ suspicions were nevertheless carrying the day.

In response, the C.I.A. prepared an analysis that all but pleaded with the White House to accept that the danger from Bin Laden was real.

“The U.S. is not the target of a disinformation campaign by Usama Bin Laden,” the daily brief of June 29 read, using the government’s transliteration of Bin Laden’s first name. Going on for more than a page, the document recited much of the evidence, including an interview that month with a Middle Eastern journalist in which Bin Laden aides warned of a coming attack, as well as competitive pressures that the terrorist leader was feeling, given the number of Islamists being recruited for the separatist Russian region of Chechnya.

And the C.I.A. repeated the warnings in the briefs that followed. Operatives connected to Bin Laden, one reported on June 29, expected the planned near-term attacks to have “dramatic consequences,” including major casualties. On July 1, the brief stated that the operation had been delayed, but “will occur soon.” Some of the briefs again reminded Mr. Bush that the attack timing was flexible, and that, despite any perceived delay, the planned assault was on track.

Yet, the White House failed to take significant action. Officials at the Counterterrorism Center of the C.I.A. grew apoplectic. On July 9, at a meeting of the counterterrorism group, one official suggested that the staff put in for a transfer so that somebody else would be responsible when the attack took place, two people who were there told me in interviews. The suggestion was batted down, they said, because there would be no time to train anyone else.

That same day in Chechnya, according to intelligence I reviewed, Ibn Al-Khattab, an extremist who was known for his brutality and his links to Al Qaeda, told his followers that there would soon be very big news. Within 48 hours, an intelligence official told me, that information was conveyed to the White House, providing more data supporting the C.I.A.’s warnings. Still, the alarm bells didn’t sound.

On July 24, Mr. Bush was notified that the attack was still being readied, but that it had been postponed, perhaps by a few months. But the president did not feel the briefings on potential attacks were sufficient, one intelligence official told me, and instead asked for a broader analysis on Al Qaeda, its aspirations and its history. In response, the C.I.A. set to work on the Aug. 6 brief.

In the aftermath of 9/11, Bush officials attempted to deflect criticism that they had ignored C.I.A. warnings by saying they had not been told when and where the attack would occur. That is true, as far as it goes, but it misses the point. Throughout that summer, there were events that might have exposed the plans, had the government been on high alert. Indeed, even as the Aug. 6 brief was being prepared, Mohamed al-Kahtani, a Saudi believed to have been assigned a role in the 9/11 attacks, was stopped at an airport in Orlando, Fla., by a suspicious customs agent and sent back overseas on Aug. 4. Two weeks later, another co-conspirator, Zacarias Moussaoui, was arrested on immigration charges in Minnesota after arousing suspicions at a flight school. But the dots were not connected, and Washington did not react.

Could the 9/11 attack have been stopped, had the Bush team reacted with urgency to the warnings contained in all of those daily briefs? We can’t ever know. And that may be the most agonizing reality of all.

Kurt Eichenwald, a contributing editor at Vanity Fair and a former reporter for The New York Times, is the author of “500 Days: Secrets and Lies in the Terror Wars.”

Em http://www.nytimes.com/2012/09/11/opinion/the-bush-white-house-was-deaf-to-9-11-warnings.html?_r=0

Posted in História, Mundo | Leave a Comment »

Professor do ensino fundamental no Brasil é um dos mais mal pagos do mundo

Posted by iscariotes em 4 de outubro de 2012

Fonte: Último segundo

Professores brasileiros em escolas de ensino fundamental têm um dos piores salários de sua categoria em todo o mundo e recebem uma renda abaixo do Produto Interno Bruto (PIB) per capita nacional. É o que mostram levantamentos realizados por economistas, por agências da ONU, Banco Mundial e Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Desinteresse: Alunos da USP não querem carreira docente

Prestes a comemorar o Dia Internacional do Professor, na sexta-feira (05), a Organização Internacional do Trabalho (OIT) lançou um alerta, apontando que a profissão em vários países emergentes está sob “forte ameaça” diante dos salários baixos.

Em um estudo realizado pelo banco UBS em 2011, economistas constataram que um professor do ensino fundamental em São Paulo ganha, em média, US$ 10,6 mil por ano. O valor é apenas 10% do que ganha um professor nesta mesma fase na Suíça, onde o salário médio dessa categoria em Zurique seria de US$ 104,6 mil por ano.

Salário: Seis governadores iniciam nova briga judicial contra piso salarial do professor

Em uma lista de 73 cidades, apenas 17 registraram salários inferiores aos de São Paulo, entre elas Nairobi, Lima, Mumbai e Cairo. Em praticamente toda a Europa, nos Estados Unidos e no Japão, os salários são pelo menos cinco vezes superiores ao de um professor do ensino fundamental em São Paulo.

Guy Ryder, o novo diretor-geral da OIT, emitiu um comunicado na quarta-feira (03) no qual apela para que governos adotem estratégias para motivar pessoas a se tornarem professores. Sua avaliação é de que, com salários baixos, a profissão não atrai gente qualificada. O resultado é a manutenção de sistemas de educação de baixo nível. “Muitos não consideram dar aulas como uma profissão com atrativos”, disse. Para Ryder, a educação deve ser vista por governos como “um dos pilares do crescimento econômico”.

Formação: Professores não são preparados para ensinar 

Outro estudo liderado pela própria OIT e pela Unesco (órgão da ONU para educação, ciência e cultura) e realizado com base em dados do final da década passada revelou que professores que começam a carreira no Brasil têm salários bem abaixo de uma lista de 38 países, da qual apenas Peru e Indonésia pagam menos. O salário anual médio de um professor em início de carreira no País chegava a apenas US$ 4,8 mil. Na Alemanha, esse valor era de US$ 30 mil por ano.

Em um terceiro levantamento, a OCDE apontou que salários de 2009 no grupo de países ricos tinham uma média de US$ 39 mil por ano no caso de professores do ensino fundamental com 15 anos de experiência. O Brasil foi um dos poucos a não fornecer os dados para o estudo da OCDE.

Médio

Em uma comparação com a renda média nacional, os salários dos professores do ensino fundamental também estão abaixo da média do País. De acordo com o Banco Mundial, o PIB per capita nacional chegou em 2011 a US$ 11,6 mil por ano. O valor é US$ 1 mil a mais que a renda de um professor, segundo os dados do UBS. Já a OCDE ressalta que professores do ensino fundamental em países desenvolvidos recebem por ano uma renda 17% superior ao salário médio de seus países, como forma de incentivar a profissão.

Na Coreia do Sul, os salários médios de professores são 121% superiores à média nacional. O Fórum Econômico Mundial apontou recentemente a Coreia como uma das economias mais dinâmicas do mundo e atribuiu a valorização da educação como um dos fatores que transformaram uma sociedade rural em uma das mais inovadoras no século 21. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Em http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2012-10-04/professor-do-ensino-fundamental-no-brasil-e-um-dos-mais-mal-pagos-do-mundo.html

Posted in Brasil | Leave a Comment »

Brasil tem 4ª maior população carcerária do mundo e deficit de 200 mil vagas

Posted by iscariotes em 4 de outubro de 2012

Fonte: BBC Brasil

Com cerca de 500 mil presos, o Brasil tem a quarta maior população carcerária do mundo e um sistema prisional superlotado. O deficit de vagas (quase 200 mil) é um dos principais focos das críticas da ONU sobre desrespeito a direitos humanos no país.

Ao ser submetido na semana passada pela Revisão Periódica Universal – instrumento de fiscalização do Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU -, o Brasil recebeu como recomendação “melhorar as condições das prisões e enfrentar o problema da superlotação”.

Segundo a organização não-governamental Centro Internacional para Estudos Prisionais (ICPS, na sigla em inglês), o Brasil só fica atrás em número de presos para os Estados Unidos (2,2 milhões), China (1,6 milhão) e Rússia (740 mil).

De acordo com os dados mais recentes do Depen (Departamento Penitenciário Nacional), de 2010, o Brasil tem um número de presos 66% superior à sua capacidade de abrigá-los (deficit de 198 mil).

“Pela lei brasileira, cada preso tem que ter no mínimo seis metros quadrados de espaço (na unidade prisional). Encontramos situações em que cada um tinha só 70 cm quadrados”, disse o deputado federal Domingos Dutra (PT-MA), que foi relator da CPI do Sistema Carcerário, em 2008.

Em http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/05/120529_presos_onu_lk.shtml

Posted in Brasil | Leave a Comment »